Trump, o milagre americano…

694940094001_4875907470001_050316-ff-trump-1280Disse desde o primeiro momento que Trump ganharia as eleições nos Estados Unidos. Não adianta achar que o povo é burro – longe disso – ou que Trump é um oportunista (é muito provável que seja só isso mesmo). Lamento se para a classe política americana é difícil perceber, se para economistas laureados tudo parece um pesadelo, se para a imprensa é duro tentar explicar aquilo que horas antes era dado como absolutamente impossível. A simplicidade da eleição de Trump resulta da insatisfação de um povo que já não se revê nos políticos e na política de sempre, no establishment. Mas este não um divórcio intelectual, longe disso – é um divórcio material, é uma relação que se quebra por razões básicas de subsistência, de dignidade, de esperança num futuro digno para os filhos. As mudanças sócio-económicas introduzidas pelo avanço irredutível da globalização, pelos fluxos migratórios recorrentes, pela agudização das desigualdades e inexplicável distribuição de riqueza, o alheamento grosseiro dos políticos face às questões prementes do quotidiano dos cidadãos, o desenvergonhado enriquecimento da classe política e de muitas empresas americanas, o recrudescimento dos offshores, a má gestão da falência e resgate de instituições bancárias e a bolha imobiliária, levaram a que os americanos decidissem abrir a porta a quem – ainda que de forma patética, quase absurda – lhes promete resolver este conjunto intrincado de questões de forma simples, devolvendo-lhes a qualidade de vida perdida por entre o sonho e o pesadelo americanos. Se de algo podemos acusar o povo americano é de ingenuidade, apenas isso. Talvez a mesma que levou os alemães a elegerem Hitler num momento menos sábio ou mais ingénuo da sua história.
Este emergir de um magnata pouco preparado para a tarefa é da única e exclusiva responsabilidade da classe política que tem governado os Estados Unidos nos últimos vinte anos e da desertificação das cidades provocada pela globalização, o que resulta na falta crónica de empregos dignos para boa parte da população. Não há contudo lugar para demagogia: para resolver as questões que deram a Trump a presidência é necessária uma política coerente, acertada entre a esmagadora maioria das nações do planeta, especialmente aquelas que têm mais peso no comércio mundial e isto seria apenas o princípio. Se é fácil compreender porque votaram os americanos em Trump, é sobremaneira difícil acreditar que ele é o homem certo para cumprir com o desígnio que o elegeu. A facilidade com que promete resolver o que preocupa os americanos carrega a mesma incompetência com que os seus pares governaram a nação americana nas duas últimas décadas.
Trump será mais um, apenas isso, vergado ao poder dos lobbies, gerindo os interesses de muito poucos, afagando o pelo das elites e aumentando a sua fortuna pessoal de forma substancial. Que descansem os mercados, o establishment continuará firme e hirto no coração da governação em Washington, muito pouco ou nada mudará realmente na vida dos americanos que elegeram Trump.
A esperança de quem elegera um presidente negro uma década antes esvaiu-se no sangue dos afro-americanos pobres ou de classe média barbaramente assassinados pela Polícia nas ruas de tantas cidades da “maior nação do mundo”.
Let’s make America great again.
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s