Crónicas de viagem

_3160009-copiar

Milhares de quilómetros, muitos – de norte a sul tenho percorrido o país: clientes, workshops, assignments.

Esta nova série intitulada “Crónicas de Viagem”, tenta retratar de forma simples, coerente, objectiva, os trajectos, localidades…os momentos efémeros de tantas deslocações.

_3160139-copiar

Portugal é um país absolutamente extraordinário – paisagem, gastronomia, gente, vias de comunicação, tudo sempre iluminado por uma luz que, atrevo-me, parece divina – ou é mesmo divinal…

_3180144-copiar

Vão ficando os testemunhos, vão-se empilhando ficheiros semanalmente para futura escolha. Se puderem, “vão para fora cá dentro” – ainda que seja em trabalho.

Todas as fotografias Olympus OM-D E-M1 Mark II, objectivas M.Zuiko Pro.

Anúncios

O regresso do Shortcutz Viseu

_3300047-copiar

Foi a edição #95, de volta ao Museu Nacional Grão Vasco, agora com o apoio do Município de Viseu. O Luís Belo e o Carlos Salvador estão de parabéns, casa cheia – a abarrotar – na sessão de regresso. Tiago Fernandes Alves foi o convidado especial desta edição.

Ficam as fotos.

Todas as fotografias Olympus OM-D E-M1 Mark II, M.Zuiko Pro 17mm f1.2 e 45mm f1.2, ISO 1000 a 10000.

They tried to bury us, but forgot we are seeds

_3240007-copiarInaugurou a 24 de Março – They tried to bury us, but forgot we are seeds – colectiva na Quinta da Cruz, com obras de Vanessa Chrystie, John Gallo, Carlos No, Maia Horta, Paulo Neves e Joanne Grüne-Yanoff.

_3240034-copiar.jpg

Uma verdadeira enchente para contemplar a colectiva e a individual de Fátima Teles, Construction Line.

Ficam alguns momentos da inauguração e da montagem, na véspera e ante véspera.

 

Peer Gynt – Dia Mundial do Teatro no Município de Viseu

_3270011-copiar

De Henrik Ibsen, foi levada à cena ontem pelas 2130H no átrio dos Paços do Concelho. Uma delícia as aventuras de Peer…

_3270131-copiar

Numa sala cheia, improvisada, com enorme simbolismo, aplaudiu-se de pé um elenco que durante duas horas e meia, aproximadamente, interpretou a peça inspirada na obra do dramaturgo norueguês.

_3270181-copiar

O intervalo foi, literalmente, para o tecto.

Todas as fotografias Olympus OM-D E-M1 Mark II e M.Zuiko PRO 12-40 f.2.8, ISO 2000 a 6400.

O Último Dia de um Condenado à Morte

_3110343

Estreou a 7 de Dezembro no Teatro Armando Cortez, em Lisboa. Paulo Sousa Costa é o encenador de um monólogo de Victor Hugo escrito em 1829, O Último Dia de um Condenado à Morte, obra à época criticada por ser deprimente e na qual o autor elogiou Portugal por ter sido o primeiro país a abolir a pena capital (há 150 anos, em 1867).

_3110710
O palco – convertido em corredor da morte – relata os tormentos na jornada (da condenação à execução da sentença) enquanto levanta questões éticas, criticando a sociedade do século XIX.

_3110551

Em Alfândega da Fé, a primeira representação fora de Lisboa pela mão da Yellow Star Company, aconteceu no dia 11 de Março.

_3110452

É um monólogo absolutamente contagiante, em que Virgílio Castelo nos coloca na pele de um condenado à morte, cujo estado de espírito reflecte o seu previsível destino, a esperança que morre com o personagem, o desespero de um fim anunciado.

_3110275

Fica o testemunho, 70 minutos muito intensos a que Virgílio Castelo empresta tudo o que tem, o que resulta numa interpretação deveras brilhante. Vão ver.

 

Todas as fotografias © Município de Alfândega da Fé.

Olympus OM-D E-M1 Mark II; M.Zuiko Pro 40-150mm f2.8, M; M.Zuiko Pro 300mm f4; M.Zuiko Pro 45mm f1.2, M.Zuiko Premium 75mm f1.8

Os vitrais…

_D8N5437-copiar.jpg

Os vitrais são, sem dúvida, uma das mais difíceis tarefas fotográficas. Este projecto, concluído em Janeiro de 2015 no Reino Unido, levou algumas semanas a produzir, entre preparação, recolha e pós-produção.

_D8N5447

Os magníficos vitrais desta igreja no sul de Inglaterra foram produzidos na Alemanha e, durante a Segunda Grande Guerra, desmontados e colocados a salvo dos bombardeamentos da Luftwaffe. São todos excepcionais – de grande beleza e recorte técnico.

What happens at ISO 20000?

_DSC0878

What happens at ISO 20000? Well, pretty much a bit of grain. These photographs were taken with available light – believe me “available” is an overstatement. Two or three 40W lightbulbs, scattered along the stage, musicians moving all over the place. Even at f1.4 things were hard. So cranking up the ISO was basically the only way the get this right.

_DSC0902

For those of us that still remember film, being able to record an event under this sort of circumstances with such detail and with this little amount of noise is a nothing short of a revolution.

_DSC0926

If there is something the digital age has brought to us is the ability to still have your job done even under extremely difficult scenarios. Of course, speed, resolution and the lot also have improved.

_DSC0841

All these photographs were taken at 20000 ISO. I know, you want to me let you know what camera did I use, lens and all that. Rest assured, there are a few cameras (and some of them aren’t full frame) that can do this. But, can you?

_DSC0671

Are you brave enough to crank up the ISO and stop complaining? Try… you will be surprised.

Have a great 2018!