Manfrotto Pixi and Pixi Evo

_dsf9244

Roughly one year ago Manfrotto has launched the Pixi Evo, a miniature lightweight tripod with two-section legs and five adjustable steps. The Pixi Evo represents a design update over the original Pixi mini tripod, and is designed, in part, to support entry-level DSLRs with large lenses. I got mine from Hi-tech Wonder in Lisbon.

_dsf9246

_dsf9249

Maximum load capacity is 2,5 Kilograms, which is quite substantial given the size of the Pixi EVO. In spite of this, the tripods are lightweight due to the use of aluminium and technopolymer. Features include a portrait shooting mode with a 90-degree tilt, sliding selectors on the legs, and three color options: white, red, and black.

_dsf9238

I have been using Manfrotto’s Pixi Evo for a few months now and let me tell you how handy this is: it really is compact, extremely light at only 260 grams, and folded takes up 20 centimetres. I use it with the X-Pro2 and any of the Fujinon lenses that I usually carry around, from the 18mm f2 to the heavier 50-140mm f2.8.

_dsf9241

The original Pixi, a design revolution and precursor to the EVO, would only stand one kilo maximum load and, at 190 grams was not that lighter. Therefore, what Manfrotto achieved with this second Pixi is outstanding.

_dsf9251

_dsf9257

For me it is some sort of buddy, something that I will put on top of almost any surface knowing that it will do what it says on the tin.

_dsf9264

I’ve used a couple of Pixi mini tripods for everything, from speedlite mounts to LED stands and they are sturdy, reliable and beautiful objects. The one I’ve photographed here is roughly three years old and still looks the part, fully functional, no problems whatsoever. Hopefully this new EVO will have the same predicaments.

_dsf9269

_dsf9273

Links:

Hi-tech Wonder, Pixi: http://www.hi-techwonder.com/productsList.aspx?s=4&id=pixi

Hi-tech Wonder, Pixi Evo: http://hi-techwonder.com/product.aspx?idProduct=6249

Manfrotto: https://www.manfrotto.co.uk

Photographs: Fujifilm X-Pro2 and Fujinon XF 90mm f2, two LED light sources, one Fujifilm EF-X500 shoe mount flash as a stand alone unit, camera mounted, FP HSS. Velvia film simulation, ACR and Photoshop to taste.

Genesis BH 34 Arca Swiss head and Giottos Carbon Fibre Tripod GT8223

_dsf9125

I’ve been using this set for quite a while, both the Arca Swiss head from Genesis, model reference BH 34 and Giottos Carbon Fibre Tripod GT8223.

_dsf9208

For all of you out there working on a mirrorless based system, weight is paramount – at only 1150 grams (tripod 810 grams, head 340 grams), this is an extremely lightweight system, portable on the side/underneath your backpack or even handheld in a soft case.

_dsf9123

For Fujifilm users that use handgrip on their cameras (except power booster for X-T1/X-T2), the Arca Swiss norm is quintessential. Instead of having to rely on a normal head system, with a plate (camera mount) to attach to the camera, which is cumbersome and impractical, with Arca Swiss heads the camera base plate is the actual plate that slides onto the tripod head, sliding in and out one way, faster, safer and improving practicality and work flow, exponentially. Believe me, once you’ve tried this solution you will agree with me, no doubt.

_dsf9137

The Genesis tripod head I’ve been using (BH 34) costs less than €55, has a maximum load capacity of 15 Kg(!) and I highly recommend it, due to an unbeatable price/performance ratio.

_dsf9186

This ball head is made of lightweight and durable aluminium-magnesium alloy. It features panoramic base with rotational scale to ensure seamless panning experience – extremely smooth. Additionally, there is a knob to unlock the ball with an integrated limitation stop that allows pneumatic adjustment of the ball’s clamping force, clever. The quick-release’s mounting point features spirit levels for precise framing and is equipped with special bolts protecting against the accidental fall out.

_dsf9189

The ball diameter is 34mm, height at 93mm – you get a reduction key and a 1/4”-3/8” reduction, a case, an Allen wrench with it, so it will fit almost anything you throw at it.

_dsf9158

_dsf9203

Giottos has now discontinued this model (GT 8223 Carbon Fibre Tripod), but you can still find it in a few retailers that kept them in stock for longer, usually with 5011N Giottos head, a universal camera mount tripod head, no Arca Swiss here. At around €120 it is an exceptional deal. There are other options, from Triopo, models GX 1027 and GX 1127, from €119, without head – so around €170 provides you an excellent solution, durable, piratical, cost-effective and lightweight.

_dsf9195

The reason I would recommend carbon fibre over aluminium alloy, is not only about weight gain – 35 to 45% – indeed, carbon fibre has higher strength and has more resilience to fatigue, is less prone to vibrate (some say in excess of 50%, imagine what it can do to your long exposures) and it has better looks and finish.

_dsf9199

The reason I would recommend carbon fibre over aluminium alloy, is not only about weight gain – 35 to 45% – indeed, carbon fibre has higher strength and has more resilience to fatigue, is less prone to vibrate (some say in excess of 50%, imagine what it can do to your long exposures) and it has better looks and finish.

If you’re on the market for a tripod that you are going to use often, although it is not something that you’ll use on a daily basis then a 3 section leg tripod, with legs around 20mm in diameter, a maximum height of 140 to 160 cm, weight below one kilogram and a maximum load capacity of around 4 to 6 kilograms will do the trick. A hook in centre column is welcome: on windy days extra weight can be added this way, providing a sturdier base to your camera, reducing wind-induced shaking. Also, make sure you can invert the centre column so that macro and studio photography will not be an issue.

_dsf9205

Let me just stress the fact that, if your gear is equipped with an Arca Swiss base plate it is absolutely irrational to buy a normal base plate tripod head, given the advantages one gets from using the Arca Swiss norm.

Links

Genesis head: http://www.hi-techwonder.com/genesis-bh-34-ball-head

Triopo tripod: http://www.hi-techwonder.com/triopo-gx-1027-(carbono)

Triopo Tripods: http://www.triopo.pl/en/

Genesis: http://www.genesisgear.pl/en/

Giottos: http://www.giottos.com

A bit more on Arca Swiss: Camera equipment maker Arca-Swiss independently developed a quick-release system for use on their tripod heads. It is based on plates that are 38mm wide, and have a 45° dovetail, which is held into place on the receiver with a screw clamp. Starting in the 1990s, with the popularization of the Arca-Swiss B-1 ballhead, many other companies began producing plates and including Arca-Swiss style (sometimes referred to as arca-type) receivers on their tripod heads. Today most plates are machined aluminium which are attached to the cameras or lenses with a 1/4-20 hex screw.

Another aspect of the Arca-Swiss system is that the mounting plates are designed to prevent accidental rotation of the plate relative to the device. When used with a camera or camera body the plates incorporate an anti-rotation flange or lip. When mounted to a lens with a foot, the plate will often be secured with two screws to prevent rotation. When this type of system is used, the camera cannot become accidentally detached from the tripod, which is possible when using a quick-release system that doesn’t prevent rotation, or when no camera mount is used. Nearly all makes and models of modern SLRs, medium format cameras, and large lenses have specific plates available with anti-rotation flanges. Universal mounting plates are also available, which can be used with nearly any camera with a tripod mount, though they provide little or no anti-rotation protection.

 

All photographs: Fujifilm X-Pro2, XF 90mm F2, two LED light sources and one Fujifilm EF-X500 Shoe Mount Flash, mounted on to the camera as a stand alone unit. ACR, Velvia Film Simulation and Photoshop to taste.

 

Coordame “Mar Flat” wrist strap

_dsf0549

Hand made in Portugal by Coordame, this is one of the finest wrist straps I’ve ever tried. It will have a place of its own alongside my X-E2s, replacing an industrial made, characterless, Joby.

_dsf0553

_dsf0559

Made of 8mm flat hollow cord – it naturally assumes a 13mm flat form factor, it is extremely lightweight and anti-perspirant – this one is military green, one of my favourite colours. The finishing is made of high-quality Portuguese leather and a small disc completes the set, which is a clever solution to prevent wear and tear around the camera hinge that supports the strap.

_dsf0561

I used it for a week on an X-Pro2 with several different lenses, from the small, lightweight, 18mm f2 to the “massive” 50-140 f2.8 and I have to say that it was a real pleasure to use. The strap is made of a gentle, natural, pleasing material (non abrasive to your skin) and the leather made adjuster is easy to use.

_dsf0562

Wrist straps from Coordame cost 18 Euros, shipping included to mainland Portugal, plus shipping if dispatched to a different country – a bargain given the quality of their products. If you’re looking for a trendy, high quality wrist strap, look no further – highly recommended! Of course, you can choose strap colour and stitching colour to suit your preferences – and packaging is retro styled, an absolute must.

_DSF0569.jpg

_dsf0564

Started in April 2016, Coordame Straps, is a small project that offers high quality fully handmade camera straps (wrist straps and neck straps) with add-on strap accessories. It’s an original fusion of Portuguese sailing and leather work history and the love for photography – “Coordame”, two words merged in just one “Cordame” – old word for rope/cord – and “Couro” – leather – each strap is made by hand from Portuguese leather, using high quality european cords.

_dsf0575

According to Coordame, their straps and wrist straps are made with the users of mirrorless cameras in mind, such as: Fuji X Series, Olympus, Leica M, Sony’s, Pentax, rangefinders, point-and-shoot, although they state it is also possible to attach them to small-size DSLRs cameras.

_DSF0576.jpg

For all inquiries about Coordame Straps please email: coordame@gmail.com

More:

Instagram: @coordamestraps

Facebook page: coordamestraps

Shipping

All of Coordame Straps are handmade to order. Order processing time is within 4-6 business days unless otherwise noted (a notification will be emailed to the customer in case of an order delay). All payments by Bank transfer (Portugal) or PayPal (EU). Prices are in Euros (call to know).

Shipping Methods: Orders are shipped via the Portuguese Postal Service (CTT) in Registered Standard shipping method for both Portugal and international (Please allow between 9 to 15 business days to the rest of the world. Delivery times for all shipping methods are estimated).

Tracking number is provided for all orders (track your items on the Portuguese CTT website and after leaving Portugal, some countries Postal Service websites allow to track it inside the country).

 

All photographs Fujifilm X100T, one LED light source, Classic Chrome, ACR, Photoshop to taste.

 

 

 

 

A diferença (clínica) entre lentes prime e lentes zoom – Parte I

fuji-16-55-2-8

Batido e debatido, não há discussão que possa encerrar esta matéria – há quem prefira zooms, pela polivalência, há quem prefira lentes com distância focal fixa pela (usual) maior abertura e melhor qualidade de imagem. Até aqui nada de novo.

E se analisarmos as diferenças que se podem efetivamente quantificar entre zooms e primes? É óbvio que um zoom será sempre mais versátil, mas o que é que se perde efetivamente quando optamos pela solução mais versátil em detrimento da solução menos flexível?

Com base nos dados Imatest, comparamos o zoom trans-standard Fujinon XF 16-55mm f2.8 WR com quatro lentes prime da Fujinon, a 16mm f1.4, a 23mm f1.4, a 35mm f1.4 e a 56mm f1.2. A opção Fujinon parece-nos simples: são lentes de conceção e construção recente, de qualidade global excecional e desenhadas de raiz em conjunto com um sistema exclusivo. O know-how da marca nipónica é amplamente reconhecido no que diz respeito à capacidade técnica para desenhar e produzir lentes para os mais variados fins. O facto deste sistema se basear em sensores APS-C é irrelevante para o que se pretende comparar. Há implicações práticas e diferenças na profundidade de campo, velocidade de obturação, valores ISO, aberração cromática e qualidade de imagem entre um sistema APS-C e um sistema full-frame, mas tais diferenças não cabem neste texto uma vez que não são essas diferenças que se pretendem analisar.

PESO

Para quem tem preocupações a este nível: a lente zoom pesa 655 gramas e as quatro lentes prime juntas pesam 1267 gramas. Se peso e volume forem críticos para alguns utilizadores, então nesse caso não há grandes dúvidas relativamente às vantagens evidenciadas pela 16-55mm f2.8 WR.

INVESTIMENTO

Preços de venda público, Hi-tech Wonder, 16 de Setembro de 2016:

Fujinon XF 16-55mm f2.8 WR, €1089,00

Fujinon XF 16mm f1.4 WR, €949

Fujinon XF 23mm f1.4 R, €899

Fujinon XF 35mm f1.4 R, €569

Fujinon XF 56mm f1.2 R, €949

Investimento total para aquisição das quatro lentes prime: €3366, sensivelmente o triplo daquilo que será preciso pagar pela lente zoom.

Neste domínio não há dúvidas; vantagem “bárbara” da lente zoom. Claro que se poderá alegar que se poderão adquirir apenas duas das quatro lentes – opções ditadas pela necessidade de gerir orçamento eventualmente, mas qualquer outra opção que não inclua a aquisição das quatro lentes prime compromete a polivalência e a capacidade para adequar a distância focal às necessidades reais de tomada de imagens em realidades diversas, no contexto desta análise.

Repete-se, neste texto não se pretendem avaliar questões de caráter subjetivo: iremos ou não produzir um trabalho de qualidade maior ou menor se este for realizado com lentes prime ou com uma lente zoom? Em bom rigor, a complexidade de uma eventual resposta é tal que é descabido riscar uma linha acerca deste assunto, sendo que a resposta seria, muito provavelmente, subjetiva.

ABERTURA MÁXIMA

As quatro lentes prime têm uma abertura máxima média de f1.35 – assume-se que f1.4 é adequado, simplificando. Deste modo, contas feitas, dois pontos separam a lente zoom das prime, o que obrigará a utilizar sempre uma velocidade de obturação dois pontos mais lenta ao utilizar a 16-55mm – ou, se possível ou preferível, dois 2 EV poderão ser recuperados no ISO selecionado para registo de uma determinada cena. Exemplo simples, a 1600 ISO, 1/60@ f1.4 numa das lentes prime, equivalerá 1/15@ f2.8 na lente zoom ou, mantendo 1/60 como velocidade de obturação teremos obrigatoriamente que selecionar ISO 6400 para que a “quantidade de luz que o sensor regista seja a mesma” (na realidade aumentamos a sensibilidade do sensor, compensando desta forma a menor quantidade de luz que este recebe – esta opção aumenta o nível de ruído presente na imagem, como sabemos, uma vez que menos luz gera menos corrente e consequentemente é necessária maior amplificação de sinal para gerar o ficheiro).

Aqui as implicações de uma eventual opção pelo zoom já se revelam no resultado final: a lente zoom, para a mesma velocidade de obturação, obrigará sempre a que se produza um ficheiro com mais grão ou com mais profundidade de campo. Em função do sujeito fotografado, o risco de produzir uma imagem “tremida” é igualmente superior. Eventuais opções com estabilização de imagem não se consideram, uma vez nenhuma destas lentes possui OIS.

VINHETAS (Vignetting)

Média do zoom a abertura máxima, f2.8: 0.53 EV

Media das quatro lentes prime a f2.8: 0.39 EV

Estes são os valores já corrigidos pelo processador da máquina; embora a comparação feita com base nos valores corrigidos favoreça o zoom, entendemos que o relevante são os resultados finais reais possíveis com cada uma das lentes neste domínio, pelo que o desempenho da lente zoom é brilhante, uma vez que a f2.8 é a única do lote a trabalhar a abertura máxima – todas as outras estão dois pontos acima do valor máximo de abertura o que favorece o desaparecimento de vinhetas. Assim sendo, objetivamente, a f2.8 as lentes prime são superiores.

Média do zoom a f4.0, 0.35 EV

Média das quatro lentes a f4.0, 0.32 EV

Mesma premissa, resultado brilhante da lente zoom.

Neste capítulo, tendo em conta o investimento necessário para a aquisição das quatro lentes prime, vantagem clara da XF 16-55mm f2.8 WR.

DISTORÇÃO

No caso da distorção não se poderá seguir o critério utilizado para as vinhetas; apesar do processamento da câmara corrigir a distorção produzida por qualquer uma destas lentes, é forçoso que se entenda que esta correção induzida eletronicamente tem consequências na qualidade final da imagem que são muito superiores às da light falloff produzida pelas vinhetas.

Valores apresentados sem correção:

Média da lente zoom: 2.71% (barril)

Média das quatro lentes prime: -0.6% (almofada)

A performance das quatro lentes prime é extraordinariamente superior à da lente zoom neste domínio.

ABERRAÇÕES CROMÁTICAS

Média da lente zoom: 0.91 pixel

Média das lentes prime: 0.31 pixel

No que toca a aberrações cromáticas a vantagem das lentes prime é inequívoca. Imagens mais limpas, ajudadas também pela menor distorção, colocam as lentes prime num patamar substancialmente superior, independentemente da distância focal ou abertura utilizada.

RESOLUÇÃO

Se em todos os pontos analisados anteriormente, a média foi tida em linha de conta como o valor a reter, entende-se que no caso da resolução é necessária uma análise mais fina, uma vez que este indicador é crítico para a perceção da imagem registada e varia substancialmente entre lentes de diferente distância focal, bem como entre o centro e os bordos da imagem, sendo que, também neste domínio, há diferenças de relevo entre lentes do mesmo sistema.

Resultados, 16mm:

16mm

Os resultados globais da lente zoom são bastante satisfatórios, tendo globalmente mais resolução do que a lente prime nesta distância focal. Notório o resultado ao centro, a f2.8 e a f4 – excelente ao centro a f8 e a f11, onde os extremos do frame também se destacam.

Nota positiva, muito positiva mesmo para a XF16-55mm f2.8 WR. A 16mm prime quase que dececiona, mas a f2 esta regista valores de resolução muito próximos dos que se registaram a f2.8, o que é excelente e, mesmo a f1.4, os valores ao centro e nos bordos são muito bons, menos convincentes nos extremos. Simples, se o objetivo ou o estilo ou as exigências do trabalho obrigam a maiores aberturas, então a 16mm f1.4 recupera alguma da vantagem perdida para a lente zoom. Caso esta questão não seja crítica, então a lente zoom cumpre com distinção.

Resultados, 23mm:

23mm

Resultados inversos: a lente 23mm fixa produz resultados muito superiores nos bordos e nos extremos do frame (exceto a f8 e a f11). No centro, embora objetivamente os resultados sejam melhores, são-no apenas marginalmente. Se o hábito, o estilo ou a exigência do trabalho condicionam a composição e o sujeito principal acaba, quase invariavelmente, por cair no centro do frame, então a lente zoom cumpre. A f2 e a f1.4 a lente prime é excelente – resolução ao centro, bordos e extremo do frame de nível muito elevado.

Resultados, 35mm:

35mm

Apenas a f8 a lente prime regista valores que se podem considerar efetivamente superiores, de resto a superioridade, embora exista, é mínima, quer ao centro quer nos bordos e extremo do frame.  Vantagem lente zoom. A resolução ao centro da lente prime a f2 e a f1.4 é muito boa, mas os bordos e o extremo do frame dececionam a f2 e a f1.4.

Resultados, 55mm:

55mm

Nesta distância focal a lente prime (XF56mm f1.2) é significativamente superior à lente zoom, em todas as zonas do frame. Curiosamente, a lente fixa tem mais resolução nos extremos do frame do que nos bordos; embora raro, não é caso único.

A f2.8 e a f4 há uma vantagem clara da lente prime e, embora os valores confirmem a tendência a diafragmas mais fechados, a diferença vai-se atenuando.

A f1.2 a lente prime produz resultados bastante bons ao centro, bons na periferia; a f1.6 e a f2 a resolução aumenta a toda a largura do frame.

Se o objeto da tarefa é retrato, se temas em que uma short-tele é crítica para o resultado do trabalho, então a lente fixa é a opção lógica. A lente zoom produz, comparativamente e objetivamente, os piores resultados nesta distância focal.

NOTA FINAL:

A comparação destes resultados obtidos laboratorialmente poderá (assim esperamos) ajudar na tomada de decisões de compra – embora vários outros fatores influenciem os potenciais compradores, amadores ou profissionais. A lente zoom está selada e protegida contra os elementos, das quatro prime em análise apenas a 16mm f1.4 dispõe do mesmo tipo de proteção.

Da análise laboratorial dos resultados obtidos em termos de resolução por cada uma destas lentes não há uma superioridade notória de nenhuma das prime em relação à lente zoom, exceção feita à 56mm f1.2.

Ainda no capítulo da resolução, a 16mm de distância focal a lente zoom iguala a lente prime, a 23mm a lente zoom perde para a sua congénere fixa nos bordos e no extremo do frame, a 35mm regista-se novo equilíbrio e apenas a 55mm há vantagem significativa para a lente fixa.

Já no que concerne às aberrações cromáticas e à distorção a vantagem das lentes prime – de todas elas – é muito significativa e tem impacto na qualidade final da imagem.

Com 5.6% de distorção (barril) a 16mm a lente zoom comprometerá certamente a qualidade da imagem nos bordos do frame – os valores aqui apresentados são os valores absolutos da lente, mas para corrigir esta quantidade considerável de distorção introduzida pelos elementos óticos haverá recurso a interpolação o que pode comprometer a qualidade da imagem. A verificar no terreno. Com 2.4% de distorção (almofada) a 55mm o resultado no extremo tele da objetiva pode ser comprometido pelas mesmas razões. Pela complexidade do desenho da lente, pela dimensão e pelo peso, esperavam-se melhores valores.

Nas vinhetas (valores corrigidos pelo firmware da máquina), regista-se um empate técnico a partir de f2.8, sendo que com este valor de abertura (a abertura máxima da lente zoom) as lentes prime revelam uma superioridade que não choca, mas que será visível nos extremos do frame em imagens com tons uniformes nesta zona, em particular.

Na segunda parte deste comparativo iremos para o terreno analisar o impacto que estas diferenças registadas em laboratório têm em cada uma das imagens produzidas, bem como pontos positivos ou negativos resultantes quer da utilização de cada uma destas lentes prime, quer da lente zoom, sempre em perspetiva e, claro, tentando ser tão objetivos quanto uma análise de campo permite.

John Gallo

 

Links:

Fujifilm Portugal (Lentes XF)

Fujinon XF 16-55mm f2.8 WR

Fujinon XF 16mm f1.4 WR

Fujinon XF 23mm f1.4 R

Fujinon XF 35mm f1.4 R

Fujinon XF 56mm f1.2 R 

Hi-tech Wonder

Imatest

 

 

Da X-Pro1 para a X-Pro2 – From Evolution to Revolution

titulo

O lançamento da X-T2 vem confirmar o amadurecimento da X Series da Fujifilm. A odisseia começou com a X100 em Março de 2011; um ano depois a X-Pro1, porta-estandarte da gama, foi lançada como a primeira câmara da X Series com lentes intermutáveis.

Desde então, como é do conhecimento geral, a marca lançou uma série de corpos e uma coleção de lentes de altíssima qualidade com o objetivo de conquistar fotógrafos experientes com vontade de mudar de sistema ou de desenvolver um sistema complementar, sistema este com virtudes inegáveis ao nível do design, da ergonomia, da fiabilidade, da qualidade da imagem e da relação com o objeto. Independentemente de se simpatizar ou não com a X Series, há que reconhecer que a marca revolucionou o mercado em pouco mais de cinco anos – um mercado que estava quase estagnado até então no que diz respeito ao lançamento, de raiz, de uma nova gama de câmaras.

Antes de testar a X-T2, que chegou ao mercado nacional na passada quinta-feira dia 4 de Agosto, parece-me importante que se faça a ponte entre a X-Pro1 e a X-Pro2, a percursora da X-T2.

Tenho utilizado ambas desde sempre – a Pro1 e a X-T1 – mais a Pro1, gosto mais do formato “rangefinder”, embora esta última acusasse já o peso do anos relativamente à restante gama da marca. A Pro2, que tenho usado nos últimos meses, é sem dúvida a Revolução que a Fujifilm prometeu quando lançou este sistema. Se a XT-1 marcou a X-Series com uma série de avanços relativamente às suas antecessoras, a Pro2 vem oferecer muito mais, num package muito similar ao da Pro1.

O sensor, agora com 24MP, menu, sistema de focagem, adoção de joystick para selecionar pontos de focagem, ISO, resistência a poeiras e humidade e compensação de exposição mais abrangente são, na minha opinião, as áreas em que a Pro2 mais se distingue da Pro1. O restante é o que resulta da evolução natural entre gerações do mesmo produto, embora seja relevante em muitos pontos como veremos adiante. A sensibilidade ISO passou a ser selecionada através de um comando completamente analógico situado no topo da Pro2. Basta puxar e rodar o anel exterior do botão rotativo de comando da velocidade de obturação. A compensação da exposição passa a ser possível até +- 3EV e até +-5EV na posição C do respetivo anel de comando, em conjunto com o botão rotativo frontal. A Pro2 tem agora 6 botões cuja função é completamente configurável.Isodial

Para a seleção de um dos 273 pontos de focagem, que se podem reduzir a 77 para maior rapidez, a Fujifilm introduziu um pequeno joystick operável com o polegar – à semelhança de DSLR’s topo de gama, a introdução deste comando permite uma seleção muito mais rápida e precisa do ponto de focagem que se pretende utilizar.Joystick

O menu está melhor, a Pro2 (esquerda) tem muito mais opções de configuração do que a Pro1, é por isso bem-vindo o novo interface mais claro, mais intuitivo e com um grafismo mais simples. Nota menos: a seleção de qual é o slot do cartão SD que pretendemos utilizar (1 ou 2), está um pouco escondida nos submenus, de resto está bem conseguida a forma como tudo está organizado. É possível aglutinar algumas funções “debaixo” de um menu configurável – o que permite ao utilizador selecionar as funções que considera mais importantes e aceder-lhes de forma directa.Menus

A qualidade de construção é referencial, habitual na X Series – corpo em magnésio, agora selado contra as agruras de uma utilização mais dura. O punho é também maior – a Pro2 fotografada tem montado o handgrip MHG XPRO2, o que lhe confere uma pega ainda mais confortável, sobretudo para utilizadores habituados a DSLR’s profissionais ou com mãos um pouco maiores. A Pro2 regista agora 8 imagens por segundo e a velocidade máxima de obturação é de 1/32000 (obturador electrónico) e de 1/8000 no caso do obturador de plano focal. O flash sincroniza a 1/250, no entanto logo que o flash EF-X500 seja lançado em Setembro de 2016 a Pro2 passa a sincronizar a alta velocidade (FP). A sensibilidade máxima aumentou para 51200 ISO, agora disponível em RAW e JPEG, incompatível contudo com o obturador electrónico – neste caso ISO 12800 é o patamar máximo de sensibilidade. O baixo ruído a sensibilidades elevadas sempre foi uma característica da X Series e a Pro2 é referencial neste domínio. Para a imagem em baixo: lente Fujifilm XF90mm F2, ISO 10000, 1/720, f2.0, Av, Pattern Metering, Provia – imagem é um crop JPEG SOOC, e nas três sequências realizadas – em condições de luz muito difíceis para qualquer câmara – a Pro2 em modo de focagem contínuo, ponto de focagem previamente selecionado, registou 7 imagens em cada 10 com sucesso, em média. Neste contexto sublinha-se a capacidade de resposta do novo sistema de focagem e a extraordinária performance a sensibilidades ISO elevadas (detalhe noutro ponto deste review)._DSF3341

Quando comparada com a sua antecessora,a Pro2 oferece agora 273 pontos de focagem contra 49 da Pro1 – todos CDAF no caso da câmara mais antiga; dos 273 da Pro2 169 são PDAF (os quadrados da zona central do LCD).AFpoints

A Pro2 grava video 60P, tem Wi-Fi – que pode ser utilizado para controlar a câmara remotamente através da aplicação Fujifilm Camera Remote, disponível para iPhone ou Android. Tem dois slots para cartões SD, mais resolução no LCD e o visor, que se mantém híbrido, permite agora – tal como sucede com a X100T – a imposição de uma pequena imagem com a zona do ponto de focagem ampliado – tudo selecionável com um toque na pequena alavanca frontal. Talvez mais importante, o shutter lag foi reduzido de 0.37 segundos para 0.06 segundos.

O design da X-Pro2 é uma evolução natural da Pro1: refinou-se o conceito, evoluiu-se na continuidade – a Pro2 é extraordinariamente agradável de utilizar tal como a sua antecessora sempre foi. Esta é uma as qualidades intrínsecas da X Series e a Fujifilm garantiu que com a Pro2 o prazer se mantém.

 

Evolução: da X-Pro1 para a X-Pro2

A evolução geracional entre Pro1 e Pro2, está patente nas imagens seguintes. A imagem da Pro2 (em baixo) tem de facto mais detalhe, conforme se pode verificar pelo crop a 100% que se segue (sempre primeiro a imagem da Pro1).Penedro-da-Se

Fujifilm XF16-55mm@16mm, f6.4, ISO200 – RAW convertido diretamente em ACR, sem correcções – 100% crop, imagem da Pro1 em cima, da Pro2 em baixo.16-55@16-PRO1-100-Crop16-55@16-ISO200-F6

Idem, Fujifilm XF16-55mm@25mm, f4, ISO200 – RAW convertido diretamente em ACR, sem correcções – imagem da Pro1 em cima, da Pro2 em baixo.Mural-16-55@25_f4.0_ISO200_Av_ACRDefault_Provia

Fujifilm XF16-55mm@55mm, f8, ISO640 – RAW convertido diretamente em ACR, sem correcções – imagem da Pro1 em cima, Pro2 em baixo, idem para crop 100% que se segue.16-55@55-ISO640-F8.0-RAW-ACR-PRO116-55@55-F8.0-ISO-640-RAW-ACR-PRO216-55@55-F8-Pro1-100%-Crop16-55@55-F8-Pro2-100%-Crop

Confirma-se a tendência da Pro2 para produzir imagens com tonalidade um pouco mais quente, mais agradáveis mas mantendo-se fiéis à tonalidade original da cena registada. Claramente perceptível a capacidade para devolver mais detalhe no novo sensor X-Trans III da Pro2.

Idem, ibidem, Fujifilm XF16-55mm@55mm, f6.4, ISO200 – RAW convertido diretamente em ACR, sem correcções – 100% crop, imagem da Pro1 em cima, da Pro2 em baixo.16-55@55-ISO200-F6.4-PROVIA-RAW-ACR-PRO216-55@55-ISO200-F6.4-PROVIA-RAW-ACR-PRO116-55@55-ISO200-F6

Analisando comparativamente as imagens registadas pela Pro1 e Pro2, com a mesma lente (XF 16-55mm f2.8 WR) e nas mesmas circunstâncias, confirma-se a evolução em termos de resolução do novo sensor X-Trans CMOS III. Na imagem acima e na zona da rolha da garrafa, canto superior esquerdo, essa evolução é claramente visível. O trabalho desenvolvido pelos técnicos da Fuji foi subtil e as restantes características dos sensores X-Trans mantêm-se: color rendering único e tipicamente Fujifilm, tonalidade neutra e baixo ruído. Apesar do aumento de megapixeis, de 16 para 24, o ruído não aumentou significativamente. Este sensor é, claramente, um dos melhores do mercado neste domínio – a DP Review quando analisou comparativamente o X-Trans III chegou à mesma conclusão – “parece haver um pouco menos de ruído do que na D7200 da Nikon ou do que na Canon EOS 7D Mark II a ISO 3200. Mesmo em ISO mais elevados, independentemente da marca dos sensores,  a Fuji leva a melhor. A ligeira diminuição de ruído, em comparação com a D7200, sugere que os ficheiros Raw da Pro2 podem ter algum grau de redução de ruído aplicado, mas muito subtil. De qualquer forma, os resultados estão entre os melhores que já vimos de uma câmara APS- C.”

 

Performance ISO

As imagens seguintes revelam a performance ISO da Pro 1 da Pro2 – todas as fotografias realizadas com luz do dia, lente Fujifilm XF 35mm, f1.4@f5.6, Provia – JPEG SOOC, crop 66%, imagem X-Pro1 antecede imagem X-Pro2. Confirma-se a tendência da X-Pro2 para produzir imagens com tons ligeiramente mais quentes.

ISO 200 – Sem ruído, em ambas. Há detalhe na lombada dos livros e na superfície de madeira.

Pro1-ISO200Pro2-ISO200

ISO 400, idem, setting perfeitamente utilizável, as diferenças para ISO 200 são absolutamente negligenciáveis.

Pro1-ISO400Pro2-ISO400

ISO 800 – Perda de algum detalhe na imagem produzida pela X-Pro1, contudo as imagens continuam perfeitamente utilizáveis. Na Pro2 a ISO 800 as imagens produzidas pela câmara têm praticamente o mesmo nível de ruído das imagens produzidas a ISO 400 – excelente.

Pro1-ISO800Pro2-ISO800

ISO 1600 – Pro1 mantém-se em perda, contudo as imagens são absolutamente utilizáveis. Na Pro2 não há qualquer indicação de perda de detalhe (atente-se na fina textura da superfície de madeira).

Pro1-ISO1600Pro2-ISO1600

ISO 3200 – Pro1 e Pro2 continuam a produzir imagens perfeitamente utilizáveis, mas já com perda de detalhe visível na Pro1.

Pro1-ISO3200Pro2-ISO3200

ISO 6400 – Tendo em conta a data de lançamento (2012), as imagens da Pro1 são de nível extraordinário, no entanto já não podem competir com as imagens produzidas pela Pro2, absolutamente utilizáveis, sem hesitação.

Pro1-ISO6400Pro2-ISO6400

ISO 12800 – Desaparece completamente o detalhe da fina textura da madeira em ambas, no entanto o ruído é visível na imagem produzida pela Pro1, enquanto que na imagem produzida pela Pro2, apesar da ausência da fina textura da madeira, ainda não há ruído  perceptível nessa zona da imagem (comparativamente). Este é, caso se pretenda obter uma imagem com detalhe suficiente e sem grande perda de saturação nas cores reproduzidas, o setting limite a utilizar na Pro2. Na Pro1, 6400 ISO será o limite aconselhável.

Pro1-ISO12800Pro2-ISO12800

ISO 25600 – Evolução notória da Pro2, apesar do sensor maior e dos photosites mais pequenos (que recebem menos luz, por pixel): 4.82 microns da Pro1 versus 3.93 microns da Pro2.

Pro1-ISO25600Pro2-ISO25600

ISO 51200 (apenas X-Pro2) – Apesar do ruído ser visível (e da aplicação de redução do mesmo se tornar perceptível), a Pro2 produz, por larga margem, a melhor imagem de entre todos os sensores APS-C existentes no mercado nesta data (Agosto 2016). Se comparada com formatos mais pequenos, Micro 4/3, então a diferença é abissal a favor da Pro2. A Pro2 perde apenas para a Nikon D5 e para a Canon EOS 1D X Mark II. Resultado brilhante.

Pro2-ISO51200

 

Flash

A utilização de flash tem estado muito limitada na X Series. Com o lançamento do novo EF-X500 a marca promete colocar o sistema ao nível dos sistemas da Canon e da Nikon. Na Pro1, a utilização cumulativa do flash e lentes com aberturas superiores a f2.0 colocava por vezes alguns problemas, com o conjunto máquina/flash a produzirem resultados sobre expostos com muita frequência; a introdução de valores de correção na exposição do flash raramente resolvia o problema. Na Pro2 estas questões foram definitivamente resolvidas conforme se observa nas duas imagens subsequentes: Pro2, lente Fujifilm XF 56mm f1.2@f1.6, 1/180, ISO 320, Provia, Flash Fujifilm EF-X20, -1/3 EV, RAW/ACR sem correções.

_DSF352756@f1.6-1-180--ISO320-no-red-eye-redc

 

Na rua – A X-Pro2 no seu habitat natural

Muito se tem escrito acerca dos atributos, performance e utilização da  X-Series da Fujifilm. Quem já frequentou um dos meus workshops ter-me-á ouvido dizer, vezes sem conta, que o equipamento deverá ser adquirido em função do tipo de fotografia que se pretende produzir. Na minha opinião, a X-Series é o instrumento de eleição para street photograhy, foto-reportagem, wedding (logo que o EF-X500 seja lançado, a derradeira ferramenta de que os fotógrafos deste tipo de eventos poderão sentir falta), produção de ensaios e moda (com utilização de cabeças de flash de estúdio). Sabemos que a X-T2 promete estar ao nível das DSLR’s profissionais no capítulo da focagem, pelo que se assim for então o desporto também passará a estar ao alcance da X-Series. Jeff Carter testou uma X-T2 em Le Mans, e os resultados são muito convincentes.

Pelo tamanho e peso, o que permite manter um perfil muito discreto, pela qualidade das imagens produzidas pelo sistema e pelo puro prazer de utilização, a fotografia de rua e a foto-reportagem são, penso, os ambientes em que a X-Series bate todos os seus concorrentes. A Home with a view foi integralmente produzido com um corpo Pro1 e três lentes prime Fujifilm, Pilgrims, Chapter one: Walking to Fatima, foi integralmente produzido com uma X-T1, uma X-Pro1 e um conjunto de cinco lentes Fujifilm, dois zooms e três primes. Bus Stops e Zero Two Zero foram igualmente produzidos com câmaras  Fujifilm X-Series e lentes Fujifilm, pelo que é para mim natural que a Pro2 seja testada num ambiente similar.

16-55mm@55mm, f2.8, ISO 200, Provia, JPEG SOOC – Exposição correta para a parte fundamental da imagem, com reprodução fiel da cor e detalhes do trator.

16-55@5-ISO200-F2.8-PROVIA--SOOC-JPEG-PRO2

16-55mm@35mm, f3.6, ISO 640, Provia, JPEG SOOC – Belíssima reprodução da luz suave que iluminava a fachada de uma sapataria, comércio tradicional, velha rua da baixa.

16-55@35-ISO640-F3.6-PROVIA-SOOC-AV-PATTERN-METERING-1-200

16-55mm@50mm, f4.0, ISO 200, Provia, JPEG SOOC – Há imenso detalhe na janela de madeira, gasta pelo tempo. O sensor da Pro2 reproduz fielmente e com abundante nível de detalhe o intrincado das várias camadas de tinta e madeira presentes na janela. Bom cálculo de exposição, preservando detalhe nas altas e baixas luzes.

16-55@50-ISO200-F4.0-PROVIA-RAW-ACR-PRO2

16-55mm@55mm, f6.4, ISO 640, Provia, JPEG SOOC – Nível de detalhe extraordinariamente bem registado, mesmo a ISO640.

16-55@55-ISO640-F6.4-RAW-ACR-PRO2

16-55mm@34mm, f4, ISO 2500, Provia, JPEG SOOC – ISO 2500, rua sombria – reprodução perfeita de todos os detalhes da imagem.

16-55@134.2-ISO2500-F4-PROVIA-SOOC-FINE-JPEG-PRO2

 

RAW versus JPEG

Conforme se pode constatar pelas imagens constantes neste review que são SOOC JPEG (Straight Out Of Camera JPEG) a Pro2 produz JPEG’s de elevadíssima qualidade – muitos fotógrafos questionam a necessidade de utilizar ficheiros RAW no seu trabalho, em virtude do detalhe, equilíbrio e contraste dos JPEG produzidos pelas câmaras atuais, de uma forma geral, pela X-Series em particular. Acresce a facilidade de edição e pós-produção/arquivo dos JPEG. As imagens seguintes foram recolhidas em RAW e posteriormente convertidas de acordo com a legenda – há vantagens, estritamente do ponto de vista qualitativo, em utilizar ficheiros RAW como base de trabalho, pós-produzindo esses ficheiros para deles extrair todo o detalhe possível.

16-55mm@30mm, f4.0, ISO400, produzida “to taste” em Lighroom e Photoshop

16-55@30.20-ISO400-F4.0-VELVIA-LIGHTROOM-PHOTOSHOP-TO-TASTE-AV-PATTERN-METERING-1-450

16-55mm@40mm, f5.0, ISO640, idem em ACR, com processamento de cor

16-55@40-ISO640-F5.0-PROVIA-ACR-TO-TASTE-AV-PATTERN-METERING-1-680

16-55mm@48mm, f8.0, ISO200, idem, ibidem em ACR

16-55@48.5-ISO200-F8.0-PROVIA-RAW-ACR-TO-TASTE-PRO2

Há mais informação nos ficheiros RAW – inequívoco, o que permite na pós-produção recuperar detalhe no extremo da latitude de exposição, sombras e altas luzes.  Nas duas imagens anteriores o detalhe nas altas luzes quase desapareceu, contudo foi relativamente fácil recuperar essa informação e “reconstruir” uma imagem plena de detalhe. A Pro2 permite gravar ficheiros RAW uncompressed ou lossless compressed. Todos os ficheiros Raw que constam neste artigo foram gravados sem compressão. Um ficheiro tiff a 16 bits tem 144MB. Propositadamente, não houve qualquer aplicação de correção de exposição na recolha de imagens, selecionou-se a medição matricial, com prioridade à abertura.

A sequência seguinte comprova o nível de detalhe contido num ficheiro RAW por oposição a um JPEG. A primeira imagem é um JPEG SOOC, a segunda é uma edição desse mesmo ficheiro com o objetivo de recuperar informação nas altas e nas baixas luzes e a terceira uma conversão do ficheiro RAW em Adobe Lightroom, “to taste”. As diferenças são notórias. Imagem produzida com a lente Fujifilm XF 16-55mm@50mm, f2.8, ISO1250

16-55@50-ISO1250-F2.8-PROVIA-SOOC-AV-PATTERN-METERING-1-28016-55@50-ISO1250-F2.8-PROVIA-EDITED-AV-PATTERN-METERING-1-280-16-55@50-ISO1250-F2.8-PROVIA-RAW-ACR-TO-TASTE-AV-PATTERN-METERING-1-280

 

Acros e adição de grão

Para os amantes de preto & branco a Pro2 tem um novo film mode: Acros – que se utiliza em todas as imagens que se seguem – esta simulação pretende reproduzir o tom equilibrado do Acros original, grão fino (depende do ISO, claro); de facto, parece que os engenheiros da Fujifilm foram capazes de reproduzir fielmente a gama tonal do Acros original, tal como já haviam conseguido com as simulações de filme anteriores desenvolvidas para a X-Series.

16-55@47-ISO640-F5.6-ACROS-SOOC-AV-PATTERN-METERING-1-400_216-55@55-ISO640-F6.4-ACROS-SOOC-AV-PATTERN-METERING-1-39016-55@55-ISO1250-F4.5-ACROS-SOOC-AV-PATTERN-METERING-1-190

A Pro2 permite agora a adição de grão, mais forte (topo) ou mais subtil (abaixo):

GRAINSTRONGGRAINWEAK

 

Peso

Com bateria, dois cartões SD, correia de pulso Joby e o punho MHG XPRO2, a X-Pro2 pesa 620 gramas (peso verificado).

 

Especificações

Especificações da X-Pro2 aqui.

 

Atualizações de firmware

A última versão disponível nesta data (8 de Agosto de 2016), é a versão 1.02, disponível aqui.

 

Acessórios

Da Fujifilm, disponíveis aqui.

 

Conclusão

A X-Pro2 é a evolução esperada da X-Pro1. Excede as expectativas contudo: mantém a excelente reprodução de cor da geração anterior – especialmente de tons de pele, tão característica da marca; os níveis de ruído e detalhe nas sensibilidades ISO mais elevadas são ímpares – os melhores do mercado, apenas superados pelos modelos de referência da Canon e Nikon (1D e D5). O novo sistema de focagem é muito superior ao da anterior geração – será difícil perder uma imagem por falta de rapidez do sistema; a introdução do joystick para selecionar o ponto de focagem ativo é um passo gigantesco na usabilidade da câmara, o grip está melhor – mais ergonómico e adaptado a mais fotógrafos, e a ergonomia de uma forma geral continua referencial. Esta é, tal como a Pro1 já era, uma máquina fotográfica para quem realmente gosta de fotografar, para quem gosta de se envolver com o objeto, de “sentir” a fotografia. Sim, há muito de intuitivo na utilização da Pro2, estabelece-se uma ligação com o objeto que é quase aditiva, mas por outro lado a câmara desaparece quando estamos no meio da ação, permitindo que o fotógrafo se concentre no seu trabalho sem que Pro2 interfira, de todo.

O slot duplo para cartões, as evoluções registadas ao nível do visor óptico/EVF e do LCD e a possibilidade de configurar menu e seis botões elevam a câmara a um patamar de excelência do ponto de vista da usabilidade e configuração. Para quem gosta de controlar ou corrigir a exposição, o novo botão rotativo de maiores dimensões permite agora que a correção seja feita de forma direta até +-3EV e de forma indireta até +-5EV. O obturador mecânico com velocidade máxima de obturação de 1/8000, complementado pelo obturador electrónico com velocidade máxima de obturação de 1/32000 permitem tirar proveito da excelente gama de lentes originais Fujifilm XF, uma vez que é possível explorar as lentes a máxima abertura, quase sem limites.

Aguarda-se o lançamento do flash EF-X500 – que peca por tardio, mas que, se cumprir com o grau de exigência a que a marca já nos habituou, complementará a gama de forma perfeita.

A melhorar, decididamente, a autonomia das baterias – em modo alta performance e com algum cuidado na utilização do LCD para rever as imagens produzidas, conseguimos em média 250/300 imagens por carga – aguarda-se o novo pack NP-W126S para poder comparar com o atual NP-W126, na esperança de que a autonomia possa vir a aumentar – seria óptimo.

Para street photographers não haverá melhor sistema neste momento, para foto-repórteres esta é uma das melhores opções disponíveis. Como sistema, a X-Series é um sério candidato a ficar na história da fotografia como um dos sistemas mais competentes e polivalentes de sempre. Nesta data, a gama X-Series é composta por onze lentes prime, nove zooms, dois tele-conversores, sete corpos para lentes intermutáveis. Complementam a oferta quatro câmaras compactas de elevada qualidade. E tudo começou em 2011 – aguardamos com expectativa pelos cinco anos seguintes.

A Pro2 cumpre com o prometido pela marca em 2014, Evolution to Revolution.

 

(Mais) Fotografias (JPEG SOOC)

X-Pro2, XF16mm f1.4

X-Pro2, XF90mm f2.0

 

Fotografias: John Gallo e Luís Belo

Texto: John Gallo

 

Onde comprar:

Hi-Tech Wonder

Colorfoto

FNAC

 

Todas as imagens do teste